Se pra gente que dorme enrolado no edredom, parecendo um temaki humano, o frio já está intenso, imagine pra quem dorme sob o céu de São Paulo. Como você já deve ter lido por aí, os termômetros chegaram a registrar recentemente 3,5°C de temperatura mínima. Segundo a Pastoral do Povo de Rua, ligada à Igreja Católica, pelo menos cinco pessoas já morreram por causa do frio da última semana.

E ainda teve o lance tenebroso de que a Guarda Civil Metropolitana (GCM), ligada à prefeitura da cidade, retirou cobertores, colchões, papelões e pertences pessoais de pessoas em situação de rua. Como justificativa para esta ação de limpeza(?), expressões como “higienização” e “desfavelação” foram usadas.

O prefeito Fernando Haddad, após um buzz pra lá de negativo, logo se pronunciou e resolveu mudar as práticas até então adotadas. Em caráter de emergência, as pessoas em situação de rua terão, a partir do dia 20 de junho, terão quatro tendas em lugares públicos com capacidade para até 250 pessoas cada uma delas. Outra novidade será um canil supervisionado pelo Centro de Controle de Zoonoses, propiciando que animais também sejam recebidos e se protejam do frio.

Em paralelo a isso, algumas ações independentes estão ajudando a aquecer alguns corações da capital.

SOLIDARIEDADE NA BABILÔNIA

babilonia-solidariedade

Este grupo se reúne semanalmente para oferecer sopa e carinho para pessoas em situação de rua no centro da cidade. Aqui na página do Fecabook você pode encontrar mais informações. O Solidariedade na Babilônia não é ligado a nenhuma religião e nesta matéria você pode ler mais sobre eles.
Informações, doações e contato: Fabiana Uva (11) 98257-9521.
Rua Ernesto Brodella, 103, vila Universitária, São Paulo.

CONVENTO SÃO FRANCISCO

frio-rua

O Salão do Chá abriu as suas portas para quem precisa. Banho quente, dezenas de camas limpas, cobertores e refeições estão sendo oferecidas nestes últimos três dias. E a intenção é que a iniciativa continue!
Informações, doações e contato: (11) 3291-2400. Portaria do Largo São Francisco, 133, Sé, São Paulo.

AVENIDA PAULISTA

frio-sao-paulo

Durante esta madrugada, de quinta para sexta-feira, eu cruzei a avenida Paulista com a rua Pamplona e vi a mesa acima.  Um rapaz estava sentado ao lado dela e puxei papo:

– Cara, tudo bem? O que são estas roupas?
– Eu juntei umas peças e trouxe aqui. Algumas pessoas passam, olham e deixam outras também.
– E você tá distribuindo pra quem precisa?
– É. Tá frio, né mano.
– E tem a ver com algum grupo político ou…
– Não. Tem só a ver com o frio. Sem política e sem religião. Só com humanidade mesmo.
O Pedro não quis sair na foto, mas disse que aceita doações de quem passar por lá. 


sao-paulo-frio

Vale lembrar que também é possível ligar gratuitamente para o telefone 156 e acionar a Coordenadoria de Atendimento Permanente e de Emergência (CAPE). Este serviço funciona 24 horas e vai até as pessoas em situação de rua para levá-las até o abrigo mais próximo.

Ao serem encaminhadas, elas terão acesso a acolhimento, camas, cobertores, travesseiros, banho, alimentação e kits de higiene pessoal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *