A descriminalização da maconha
, pelo menos na mente de alguns brasileiros, começa a tomar fôlego quando o assunto é abordado fora das pautas que envolvem tráfico, consumo inconsciente, perda de neurônios, dependência e “a porta de entrada para outras drogas”.

Primeiro que a maconha não é porta de entrada pra nada, tanto que muita gente alega que só fuma quando bebe. Sendo assim, o álcool seria a tal porte de entrada e não a erva. Precisamos falar mais sobre o assunto sem que os arquétipos já construídos pela sociedade possam embaçar a nossa visão sobre o tema.


(Prédio da FMRP onde funcionará o Centro de Pesquisas em Canabinoides)

Não pretendo te incentivar a acender um baseado, mas acho interessante compartilhar que ainda este ano será criado o Centro de Pesquisas em Canabinoides. Ele será de responsabilidade da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, em parceria com a farmacêutica Prati-Donaduzzi.

O coordenador do novo centro, o professor Antonio Waldo Zuardi, atualmente é do Departamento de Neurociências e Ciências do Comportamento da FMRP. Segundo ele, o Mal de Parkinson, epilepsia resistente a tratamentos e esquizofrenia estão entre as enfermidades que “possuem ensaios clínicos em pacientes, porém ainda precisam de estudos com maior número de pacientes para que o canabidiol possa ser registrado como medicamento pelas agências reguladoras”.

Estrutura química do Cannabidiol. Foto: Visual Hunt.

Zuardi acredita que a intensificação dos estudos colaborativos resultará em muitos benefícios para a sociedade, “como a redução do sofrimento e melhora da qualidade de vida de pacientes e suas famílias”.

O primeiro estudo clínico já foi aprovado e será feito com mais de 120 crianças e adolescentes que têm epilepsia e não melhoraram com medicamentos tradicionais. Depois disso, o medicamento feito a partir da maconha poderá chegar nas prateleiras das farmácias brasileiras.

Atualmente, as pesquisas com as substâncias derivadas da maconha contam com oito centros e 18 sub-centros de estudos espalhados pelo Brasil e exterior.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *